jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    MPT pede R$ 10 milhões em horas extras para funcionários do JBS/Friboi

    Bauru - O Ministério Público do Trabalho em Bauru ingressou com ação civil pública contra o frigorífico JBS S/A Friboi, pedindo a condenação da empresa ao pagamento de horas extras aos funcionários que trabalham em ambientes frios (até 12 ºC) e deixaram de usufruir de intervalos para recuperação térmica, previstos em lei. O valor se refere aos últimos cinco anos de pausas não concedidas, e alcança o montante de R$ 10 milhões.

    A ação atinge os empregados da unidade de Lins (SP) que trabalham nos setores de movimentação de carne com osso; de paletização e embarque; de desossa; de porcionado; e de supergelados e embalagem dos supergelados. Em todos os departamentos é necessária a manutenção de temperatura máxima de 12 ºC, segundo exigência do Ministério da Agricultura.

    Para fazer o pedido, os procuradores Luís Henrique Rafael e Marcus Vinícius Gonçalves se apoiaram no artigo 253, da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que prevê paradas de 20 minutos a cada 1h40min trabalhadas dentro de câmaras frigoríficas. A aplicação da lei em relação a empregados que trabalham em ambientes artificialmente frios sempre foi necessária, mas se consolidou em 2012, com o Enunciado nº 438, editado pelo Tribunal Superior do Trabalho.

    Os procuradores também juntaram ao processo diversas decisões judiciais favoráveis à reposição, por horas extras, dos intervalos não concedidos a funcionários para a recuperação térmica, aplicando o previsto na CLT.

    Além do pagamento referente aos intervalos não concedidos nos últimos cinco anos (com acréscimo de 50%, a título de hora extra), o MPT pede que haja reflexos nas outras verbas trabalhistas (férias, 13º, FGTS, etc).

    Depois da condenação definitiva do frigorífico, o MPT também pede que, na impossibilidade de localizar algum funcionário lesado, que o dinheiro seja destinado a um fundo coletivo.

    Pausa concedida - em audiência administrativa realizada em fevereiro de 2013, em Bauru, os representantes do JBS disseram que a pausa para recuperação térmica passou a ser adotada em todos os setores da empresa.

    Anteriormente, em audiência realizada em março de 2012, o frigorífico comprovou que a pausa estava sendo oferecida apenas a cinco empregados do setor de supergelados.

    Está claro que a concessão das pausas ocorreu nos últimos meses após a atuação do Ministério Público. Deste modo, em razão da empresa ter reconhecido a necessidade da pausa e já ter disciplinado sua conduta com a norma, fica evidente o dever de remunerar os intervalos que não foram concedidos ao longo do contrato de trabalho, explica o procurador Marcus Vinícius Gonçalves.

    O processo tramita na Vara do Trabalho de Lins.

    Lucro o mais recente balanço divulgado pelo JBS S/A Friboi evidencia um lucro líquido de R$ 338,5 milhões no segundo trimestre de 2013, uma alta de 99,7% na comparação com o mesmo período de 2012, de R$ 169, 5 milhões.

    De um ano para o outro, a empresa quase dobrou o seu lucro líquido, de forma que o valor da causa apresentada pelo MPT ao Judiciário Trabalhista representa menos de 3% do seu resultado trimestral.

    Processo nº 0002859-04.2013.5.15.0062

    Informações relacionadas

    Funcionários de frigorífico serão indenizados pela não concessão de pausas térmicas

    Âmbito Jurídico
    Notíciashá 7 anos

    Zara é autuada por não cumprir acordo para acabar com trabalho escravo

    Metrô, CPTM e Liquigás na mira do Ministério Público do Trabalho

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)